Menu

Livros do Igor Lemos

Baralho das dependências tecnológicas

Seja nos colégios, consultório, aulas, palestras ou em conversações do cotidiano, um tema vem se tornando cada vez mais frequente em sua manifestação: o uso inadequado dos recursos tecnológicos, podendo reverberar em um possível adoecimento psíquico. Concomitantemente à angústia de pais, os educadores vêm lidando constantemente com estudantes que despendem um tempo significativo do seu cotidiano no uso destas tecnologias, resultando em prejuízos em suas avaliações e nas relações interpessoais (em alguns momentos este uso é feito dentro de sala de aula). No campo laboral, este tipo de queixa também ocorre, resultando em advertências e/ou demissões (este fenômeno é chamado de cyberslacking - o uso inadequado de tecnologia no ambiente de trabalho). 
 
Este baralho torna-se uma nova estratégia, específico da cibercultura, para que psicoterapeutas possam atender tanto adolescentes como adultos que estejam apresentando uso problemático ou, em sua forma mais grave, uma dependência de três tipos de tecnologia: jogos eletrônicos (on-line ou off-line), internet e aparelho celular. Estes dois últimos apresentam uma caracterização semelhante no que se refere ao uso de aplicativos, as redes sociais, em especial. Porém, pelo celular ser um aparelho móvel ele detém outros riscos para o usuário, como seu uso no trânsito, assim como em locais inadequados para selfies. 
 
O Baralho das Dependências Tecnológicas contém 117 cartas:
 
• 50 cartas de pensamentos disfuncionais
• 20 cartas de emoções em (des)equilíbrio
• 10 cartas de comportamentos inadequados
• 10 cartas de situações de vulnerabilidade
• 15 cartas de estratégias psicoterapêuticas
• 09 cartas de conquista do tratamento
• 03 cartas de troféu

Editora: Sinopsys
Ano de lançamento: 2016
Público-alvo: profissionais da saúde mental

Desconecta

O uso inadequado de tecnologia é uma temática que vem obtendo uma significativa expansão na literatura científica especializada e em diversos setores da mídia. Devido à relevância do tema, a dependência de jogos eletrônicos também gerou interesse de pais e educadores que lidam constantemente com filhos e estudantes, respectivamente, com uso problemático deste recurso tecnológico, seja em casa ou no ambiente escolar. Desta forma, este livro, baseado na terapia cognitivo-comportamental, busca atender crianças entre 6 e 11 anos de forma que consigam usufruir de maneira saudável o mundo dos jogos eletrônicos, podendo ser utilizado como um manual, no qual as etapas deverão ser seguidas de forma progressiva, à medida que a criança for evoluindo. 
 
Editora: Sinopsys
Ano de lançamento: 2016
Público-alvo: pais, educadores, profissionais da saúde mental

Atendimento cognitivo-comportamental das dependências tecnológicas

Numa abordagem eminentemente clínica, este volume da Série Prática Clínica apresenta casos atendidos pelo autor, de forma a propiciar ao leitor uma oportunidade de acompanhar os dispositivos e as estratégias empregados. Esta obra temática sobre o atendimento de Dependentes Tecnológicos privilegia o trabalho transformador da clínica ao descrever os desdobramentos do profissional para lidar com o sofrimento e a angústia do paciente, com o manejo da relação estabelecida e a busca por caminhos de superação.

Editora: Zagodoni
Ano de lançamento: 2015
Público-alvo: profissionais da saúde mental